Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um quarto para duas

Um blog, duas raparigas, um amor.

Um quarto para duas

Um blog, duas raparigas, um amor.

29
Dez11

...

ana
Ando a ficar mal habituada.
Ora vou dormir a casa dela, ora ela vem dormir à minha. Depois, quando tiver de dormir sozinha não dá. Não sabe igual, a cama é mais fria, não há beijinhos (reais) de boa noite, nem aquele abraço que me aconchega até acordar.
Isto de partilhar a cama é um vício, dos bons claro!
29
Dez11

Uma ida à selva

ana
Fui aos saldos e foi assustador! Comprei umas calças de pijama e só. Já não tenho idade para estas aventuras radicais. As lojas são uma selva: corre-se, dão-se cotoveladas, grita-se, ataca-se quem aparece à frente, roubam-se peças das mãos dos outros, enfim. Já para não falar na desarrumação semelhante à de uma feira, nas pilhas de roupa que mais parecem a pirâmide de Snefru e das filas enormes para pagar. E depois, encontrar um S daquela camisola que até era gira, um 35 daquelas botas que tanto queríamos, umas calças que não sejam verde alface ou o 40... saí de lá desmoralizada.
E eu, que gosto de ir às compras, de ver lojas, experimentar roupa, ver e remexer, já só queria fugir dali. Um horror, minha gente.
Ah, e as tais sapatilhas que falei no post anterior nem as vi. Nem tive coragem de entrar na loja, tal era a multidão que habitava lá dentro. Quero lá saber. Ficam para a próxima. Isto se houver próxima, que tão cedo não me apanham numa destas.
29
Dez11

Kuduro

ana
Não, este texto não é sobre Kuduro, a musica. O titulo é só para enganar. O que vou escrever é mesmo sobre cu duro, ou um rabo mais rijo, se preferirem.
Eu sou pouca dada ao exercício físico, como já sabem. Não sou gorda, nadinha mesmo e também não tenho um corpinho muito mal feito, sem grandes curvas, também é uma verdade, mas proporcional. 
Eu até convivo bem com o meu aspecto, mas há uma coisa que me deixa um bocadinho irritada, o meu cu. O sacana é mole. É redondinho, não é gordo, mas é mole. 
Bem sei que não faço nada para o por duro, cheio de músculo e firme, mas a Rita também não e o dela é rijo. Por que raio é que o meu não é? Já sei que passo o dia sentada nas aulas, no metro ou no autocarro, mas também faço caminhadas, corro para apanhar os transportes e vou mil e uma vezes ao supermercado a pé. A Rita anda sempre de carro, para quase todo o lado e tem um cu que eu invejo.
Não acho isto nada justo, por isso, este ano, o meu investimento nos saldos vão ser umas destas. São feias, mas diz que fazem trabalhar músculos nunca antes trabalhados (provavelmente tretas) e transformam o nosso bumbum mole, num bumbum rijo. Além disso dizem que ajudam a melhorar a postura (e isso a minha fisioterapeuta diz que é verdade), coisa que preciso imenso.
Operação cu duro terá o seu início em breve! E tu, minha miúda com um rabo lindo e de sonho, prepara-te, em breve terás concorrência a altura!

P.S.: Tinha de acabar o ano com o post realmente parvo! Faz parte...
P.S.2: Ando a fazer muita publicidade aqui. Afinal quando é que as marcas começam a enviar-me os produtos de graça para casa?
P.S.3: Este texto é uma prova de que as lésbicas se preocupam com o seu corpo. Não se vestem de rapaz, depilam as pernas e gostam de coisas da moda. Sonham também com um corpo decente, como qualquer outra mulher. Só para deixar isto bem claro, é que anda por aí gente que acha que somos mulheres que gostavam de ser rapazes, com tiques masculinos e bigode. 

28
Dez11

Passagem de ano

ana
É a festividade que mais odeio. Passar o ano, para mim significa, entrar no mês que menos gosto: Janeiro. O mês do frio de rachar, dos temíveis exames, do stress descontrolado e daquela sensação, estúpida, de que tenho de mudar algo em mim, ser melhor do que sou e cumprir promessas, que fiz na noite de final de ano.
Raramente cumpro o que prometo, tipo deixar de fumar, fazer exercício, beber um litro de água por dia, não voltar a faltar às aulas das oito e ser menos preguiçosa. Normalmente fica tudo na mesma, porque Janeiro é um mês frio e o que me apetece são bebidas quentes e um cigarro e não água fria; ficar embrulhada numa manta, em vez de ir correr; e claro, estar na minha cama quentinha, ao invés de acordar às sete e enfrentar as temperaturas baixas que se fazem sentir.
Voltando à passagem de ano, que volto a afirmar que odeio, só gosto do camarão frito feito pela minha tia, da sapateira recheada que o meu pai faz na perfeição e do copinho de champanhe que adoro.
O resto só me faz deprimir. Os desejos, as promessas e o stress do mês mais horrível do ano.
Mas ok, que venha o 2012, esse ano que dizem ser o do fim do mundo, de crise, de austeridade e mais miséria. Tudo óptimo. O ano em que acabo (façam figas, rezem por mim, enviem boas energias) o meu curso e que tenho de procurar emprego. Tarefa fácil (cof, cof). O ano em que muita coisa vai mudar, em que vou ter de descobrir novos caminhos e arranjar muita coragem para seguir em frente.
Para mim, 2012 é o ano das novidades e da vida (obrigatoriamente) nova!
Mas até lá não quero pensar muito nisso, vou antes pensar nestes dias, que prometem continuar a ser óptimos, junto da minha amada e recheados de muito amor e coisas boas.
27
Dez11

Dois mil e onze

ana
Nem quero pensar muito neste ano que passou. Não foi bom. Ponto final.
O que me interessa é que estes últimos dias, maravilhosos, têm compensado os outros, péssimos. E assim será sempre, seja qual for o ano. Enquanto o nosso amor crescer, como tem crescido até aqui, enquanto te tiver a meu lado, como sempre tenho tido e enquanto a nossa felicidade durar, e eu acredito que ainda vamos ser muito felizes juntas, não há azares, problemas e dificuldades que nos derrubem. Podemos chorar, berrar, deprimir e achar que o mundo se uniu para nos tramar, mas no fim, o que fica e sempre ficará, são os bons momentos, os nossos momentos. 
Deste ano fica-me o riso que nos leva às lágrimas, as parvoíces que fizemos, aqueles abraços que matam saudades, aqueles beijos que são tudo, as conversas sérias e as menos sérias, os passeios e as idas à praia. Deste ano fica-me apenas aquilo que quero lembrar, aquilo que me fez feliz. Deste ano ficas-me tu e tudo aquilo que és. Fica este nosso amor, que é tudo e me faz imensamente feliz!
26
Dez11

Para o ano há mais

ana
E pronto, mais um Natal se passou.
Correu bem, a família esteve junta, a comida estava óptima (ai, os cozinhados da minha tia, tão bons!) e as prendinhas foram boas.
A Rita deu-me um coração para pôr na Pandora e uma moldura com fotos nossas, que já está colocada em lugar de destaque no meu quarto. O resto foi o normal, meias, cuecas e pijamas, dão sempre jeito e eu gosto.
Para a Rita, um perfume. E de mim para mim (que também mereço), um perfume e uma lingerie vermelha (que também é uma prenda para a Rita lol).
Nem uma sms de Natal recebi (os tempos estão a mudar, foi tudo através do facebook) e nem tive oportunidade de falar com o meu irmão.
Mas, no geral, foi bom. O normal. Senti falta da minha miúda, afinal se Natal é amor e família ela tem de estar presente.
Hoje matamos saudades. Vai ser o nosso Natal. 

Pág. 1/4