Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um quarto para duas

Um blog, duas raparigas, um amor.

Um quarto para duas

Um blog, duas raparigas, um amor.

28
Mar13

Hoje, o Sol brilha só para nós!

ana
Há sete anos fazia Sol. E mesmo que não fizesse, para nós, era um dia de Sol! E nós brilhávamos. Muito. E o Sol era todo nosso.
Naquele dia, que cheirava a primavera, soubemos que fazia sentido e quisemos seguir em frente. Até hoje. Debaixo do [nosso] Sol que nos ilumina até na sombra, sempre com o mesmo brilho.
Há sete anos aconteceu-nos o melhor do mundo!
27
Mar13

...

ana
O jantar de hoje esteve por minha conta. Caril de frango, um dos meus pratos preferidos. Estava bem bom, tão bom que nem me lembrei de tirar fotografia antes de me "atirar" ao prato. A receita foi inspirada nesta, apenas ficaram a faltar os coentros.


26
Mar13

Somos do mais romântico que há!

ana
Andamos em modo "arts & crafts" a preparar os presentes de anos de namoro.
Hoje, à hora de almoço, disse-me: "Ah amanhã tens de deixar-me imprimir o teu presente na tua impressora!". E eu, achei isso tão normal, que estou a um passo de lhe pedir para comprar uma moldura, numa qualquer loja do chinês, para poder acabar o presente dela.
Como vêem é tudo feito no maior dos secretismos!
26
Mar13

...

ana

Ontem, uma das senhoras da turma de pilates dizia-me que tinha de fazer as posições do Kamasutra para ganhar flexibilidade! Sim, vocês não imaginam o que são aquelas aulas, melhor, não imaginam o que ouço naquelas aulas. Só para contextualizar: A dita senhora vai para a aula de saltos altos e leggings tigresse. Hilariante!
Continuando. A senhora diz-me aquilo e vem-me logo à memória a minha história do Kamasutra. Claro que não disse nada, mas ainda tive de fazer um esforço para não me rir sozinha.

Estava eu no meu primeiro ano em Lisboa, em pleno processo de auto-aceitação em relação à minha orientação sexual, ou seja, ainda não completamente à vontade com a situação em si, quando me lembro, assim só na brincadeira, de comprar o Kamassutra lésbico para oferecer à Rita. Já agora, aproveito para dizer que aquilo não é nada de especial e que não "ensina" nada de novo. Se estão a pensar comprar, não comprem. Pronto, dirijo-me à Fnac do Colombo, agarro no livro, olho à minha volta para ver se ninguém me está a observar (eu era tão tótó!) e dirijo-me para as caixas. Com muita timidez, entrego o livro ao rapaz da caixa e preparo-me para pagar. O código de barras do livro não passa à primeira, não passa à segunda e, à terceira, o rapaz agarra no livro, levanta-o bem no ar e grita, mas grita mesmo, para um colega "Olha vai ver se há mais algum Kamassutra Lésbico na estante que este não esta a passar o código"! Na altura, na minha cabeça só ecoavam as palavras "Kamassutra Lésbico" por toda a Fnac, imaginava mil olhos na minha direcção e devo ter ficado vermelha como um tomate. Na verdade, ninguém ligou nenhuma  à situação e eu sai da Fnac a rir e com a lição aprendida: Não voltar a ter vergonha daquilo que sou!

25
Mar13

A história é esta:

ana
Filipa volta ao pilates e percebe que é uma jovem com zero de flexibilidade. As restantes alunas, com idades compreendidas entre os 40 e 50 anos, gozam com ela enquanto elevam uma perna até ao tecto. Filipa não responde porque está a tentar perceber como mexer a perna esquerda e o braço direito ao mesmo tempo. Chega à conclusão que, para alem da nenhuma flexibilidade, também é a mais descoordenada da turma. Fisioterapeuta, que é a professora de pilates, diz-lhe que ficaria muito orgulhosa se esta conseguisse chegar à idade das restantes alunas a mexer-se daquela forma. Filipa, pensa para si mesma que nem quando tinha dez anos se conseguia mexer como elas. Apercebe-se que tem um longo caminho pela frente e que ser sedentária é bastante mais simples, mas tenta meter na cabeça que tem de se esforçar e ser amiga da sua coluna. Filipa, promete a si mesma que vai tentar ser menos preguiçosa.

Pág. 1/5