Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um quarto para duas

Um blog, duas raparigas, um amor.

Um quarto para duas

Um blog, duas raparigas, um amor.

31
Jul13

Tudo me acontece

ana

Depois de bater com os dedos do pé numa cadeira,  dedos esses que ainda não estão recuperados, surge-me agora, nas costas, uma alergia qualquer, talvez uma picada de algum mosquito que tomou proporções nunca antes vistas. Já pensei na tal alergia da água do mar, mas aqui nas nossas praias não se tem verificado nada disso. Depois lembrei-me da "zona", ou "cobrão" como lhe chama a minha avó, que eu já tive disso num pé e tenho medo que esteja de Volta. Só sei que isto não está bonito. E se foi causado por algum bicho, era um daqueles bem venenosos. Que medo. Espero que não ande à solta na minha cama. 

30
Jul13

"Quem sou eu para julgar os gays?"

ana
Foi o que disse o Papa Francisco, hoje numa conferência de imprensa. Eu, céptica do pior, dou a minha mão à palmatória e reformulo a minha opinião sobre o novo Papa. Afinal não é como os outros, tem uma posição mais tolerante, menos critica e moralista. Que bom, já fazia falta.
Continuo a achar que ainda falta um bocado para uma mudança mais profunda na Igreja, mas são de louvar estas palavras. São um feliz ponto de partida.
29
Jul13

Podia dizer que o problema é o calor*

ana

Já não leio um livro há meses. Agora leio o código da estrada, mas isso não conta; Já não cozinho há imenso tempo. A última vez que me dediquei a essa arte foi quando fiz aquelas bolachas que não ficaram como queria; Já não vou a uma exposição desde abril. Aliás já não faço nada com interesse cultural há montes de tempo; Já não pesquiso nada de jeito na net. Fico-me pelo facebook, pela blogoesfera cor-de-rosa, pelos reviews de maquilhagem e por coisas sem interesse nenhum; Já nem sequer leio os blogs de culinaria que tanto gosto.
Em breve deixarei de saber ler e escrever. Quiçá de andar e falar. Ou então não, visto que treino imenso a leitura com as legendas das séries que vejo.
Há cerca de seis meses que tenho vindo a tirar uma pós graduação em inutilidade e procrastinação. Só me falta a tese para ser mestre!

*Mas como tem estado este tempinho de porcaria, não vale a pena tentar enganar ninguém.
Ah, e por causa disso, já não vou à praia há mais de uma semana. Parecendo que não até era algo com algum interesse, pelo menos ia passear a preguiça para outro lado.

27
Jul13

O estranho fenómeno do dedo do pé que bate na cadeira

ana
Sabem quando mesas e cadeiras se atravessam à nossa frente, assim do nada, e batemos com o dedo do pé nelas? Aconteceu-me isso há pouco. A cadeira apareceu à minha frente e bati lá com o dedo que, como a pancada por si só não é suficiente, decidiu ainda ficar entalado (não me façam perguntas). Não chorei, mas apeteceu-me. Tenho dores horríveis e o dedo inchado, já pus gelo, e agora resta-me esperar que passe.
Juro que não percebo isto, e está sempre a acontecer-me!

23
Jul13

Teorias, filosofias e coisas do género

ana
Por vezes, numa relação lésbica (se calhar nas outras também, mas como desconheço os factos falo só daquilo que sei), as hormonas, ou lá o que é, tomam conta da coisa e há dias que se transformam numa série dramática da FoxLife. Hoje foi um deles.
Lidar com humores femininos (lá está, se calhar também há "humores" masculinos, mas eu não conheço) dá trabalho e exige muita capacidade de encaixe e compreensão. São aqueles dias do mês, são aquelas neuras que nos dão, são as noites mal dormidas, são dias de sensibilidade mais apurada... são mil e uma coisa, algumas sem explicação! E, pior é quando as hormonas de ambas se descontrolam e a palavra paciência parece deixar de existir. Ui, ai não há nada a fazer, é drama ao quadrado, amuos e tal.
Depois fica tudo bem. As hormonas, células, poros, órgãos, nervos e tendões serenam e volta tudo ao normal!
19
Jul13

Praiar III

ana

Nas praias da nossa zona a água do mar não faz alergias, nem comichões, nem nada dessas coisas más, felizmente. A que frequentamos até tem bandeira azul. O único problema, nas nossas idas à praia, está neste maldito tempo. Toma-se um banho, vem-se para a toalha, o sol não brilha, o biquíni está molhado, os lábios roxos e eu tenho de vestir a camisa da namorada, vestir os calções e evitar a todo o custo entrar em modo congelação. A Rita diz que fico sexy com a camisa dela, nem tudo é mau!

Pág. 1/3