Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um quarto para duas

Um blog, duas raparigas, um amor.

Um quarto para duas

Um blog, duas raparigas, um amor.

30
Jan14

Manual de sobrevivência

ana
1- Lembra-te que a distância é apenas um pormenor, a nossa proximidade não se mede em quilómetros;
2- Não contes os dias que faltam, mas sim os que já passaram;
3- Escreve-me;
4- Sai. Vai beber café com o D.;
5- Dá o teu melhor no trabalho, mas não dês mais do que aquilo que eles merecem que lhes dês;
6- Empenha-te neste novo desafio profissional:
7- Quando te apetecer desistir, respira fundo, acredita em ti. Tu és capaz de tudo;
8- Não fumes;
9- Esquece as dietas e limita-te a comer bem e saudável;
10- Conduz sempre com cuidado;
11- Não saias à rua com cabelo molhado;
12- Não te deites com o cabelo molhado;
13- Quando te sentires triste, lembra-te que eu estou à distancia de uma sms ou telefonema;
15- Quando te sentires triste, pensa em todas as parvoíces que digo e faço (tipo partir coisas, tombar a roupa dos cabides, etc);
16- Sorri todos os dias;
17- Fala comigo através do Skype;
18- Compra o bilhete para me ires visitar;
19- Quando fores às compras, não compres só camisas;
20- Vem visitar o meu Xavier;
21- Lê um livro;
22- Vê PLL para podermos discutir os episódios:
23- Não confies demasiado nas pessoas;
24- Tenta não discutir com o teu pai, ignora-o sempre que possível;
25- Não me deixes muito tempo sem noticias tuas. A sms ao acordar e ao deitar, continuam a ser obrigatórias;
26- Pensa sempre bem antes de tomares decisões importantes;
27- Come Kebabes com moderação;
28- Passeia, não estejas sempre em casa;
29- Leva almoço para o trabalho;
30- Tem cuidado com os excessos (de todos os tipos) no S.Pedro;
31- Escreve no blog;
32- Não estragues o teu cabelo, limita-te a corta-lo sempre que precisar;
33- Conta-me sempre tudo o que estiveres a sentir;
34- Marca a consulta no oftalmologista;
35- Adormece a pensar em mim para teres sempre sonhos bons;
36- Tem paciência para mim, para as minhas crises existenciais e possíveis amuos;
37- Confia em ti;
38- Confia em mim;
39- Sempre que tiveres um problema, diz-me. Juntas arranjaremos uma solução;
40- Quando te apetecer chorar, chora. Mas depois ri o dobro para compensar;
41- Lembra-te, a cada segundo, o quanto te amo;
42- Ler isto sempre que for necessário.

29
Jan14

...

ana
Andava no facebook e pesquisei o nome do blog para entrar na página, através da minha conta pessoal. Apareceu-me, para além da página do blog, um grupo fechado, com o nome "Um quarto para as duas", entrei e tinha como imagem de fundo uma bandeira arco-íris... ok.
Ou o nome do meu blog é assim uma coisa muito banal, muito lésbico, ou então, alguém não faz a mínima ideia o tempo que demorei a encontrar um nome (que achava) original aqui para o estaminé.
No hard feelings.
Ah, e um dia conto-vos como nasceu o nome.

[A sério, não tenho problema nenhum com isto, o Quarto não é uma marca registada (e mesmo que fosse o nome do tal grupo nem sequer é exactamente igual). Apenas achei curioso.]
28
Jan14

...

ana

Tinha planeado começar a organizar o que quero levar nas malas hoje. Mas, como aquilo que planeio nunca me corre pelo melhor, hoje as coisas não podiam ser diferentes.
Tenho andado doente, ontem até me sentia melhor, depois fui à consulta de otorrino e fiquei a sentir-me pior. Assim, tal e qual. Não tinha tosse, comecei a ter. E muita. [Não que a  culpa tenha sido da médica, que por acaso é muitíssimo competente e que me deu a cirurgia como única solução para o meu problema, e que até me disse um sitio em Barcelona onde se comem uns cogumelos maravilhosos, o problema foi mesmo estar doente e ir a um sítio (hospital) onde estão pessoas doentes. Os vírus acharam-me o alvo ideal, pois claro.]
Hoje não me apeteceu fazer nada. E não fiz. Deixei o assunto malas para amanhã, mas sem planos, que esses saiem-me sempre furados.

26
Jan14

Pronto, eu também falo sobre a praxe

ana
Não fui praxada, porque não quis e não gosto. Ninguém me obrigou a ser, ninguém andou atrás de mim a pedir que participasse, uma vez enviaram-me um mail a dizer que estava "fora" de todas as actividades académicas e que não podia trajar, e eu ri-me do ridículo da mensagem.
Bem, a verdade é que quando cheguei à faculdade não sabia se queria ou não ser praxada, nem sequer tinha pensado nisso. Fui uma manhã às praxe e soube logo, desde o primeiro segundo, que aquilo não era para mim. Miúdas a gritarem-me aos ouvidos, muitos caralhos e foda-se, muita parvoíce vinda daquelas cabecinhas, ah e muitas minis logo às nove da manhã. Alinhei nalgumas brincadeiras, tentei decorar as musicas do curso, da faculdade, da universidade e o diabo a sete, fiz umas tantas flexões e ainda tive tempo de olhar nos olhos (ai credo, que ultraje) uma "dótora" que se estava a esticar um bocadinho. Depois de uma manhã inteira ao sol, sem comer, sem parar um bocadinho lá nos levaram para o refeitório e foi aí que acabou a minha incursão nas praxes - ah e tal a caloira tem de comer com as mãos, sem talheres e bla bla bla - olhem, não comi, tirei a fitinha vermelha "à rambo" da cabeça e fui à minha vida. 
Se precisei da praxe para me integrar e fazer amigos? Não, nem um bocadinho. Se aquela manhã contribuiu para a minha integração? Não, nadinha. Por isso, perdoem-me os fãs das praxes, pelo menos na minha faculdade (que é o que conheço e posso falar), praxe e integração não é assim uma coisa tão óbvia e factual. 
Quanto à humilhação, acho que existiram momentos em que aquilo resvalou para isso. Não sei se aconteceu nos restantes dias, mas na manhã em que fui, aconteceu. E eu não gostei. 
Também é verdade que tenho pouca paciência para a subjugação. E sim, sei muito bem que ao longo da vida vou deparar-me com situações de hierarquia, onde alguém me vai dar ordens que tenho de acatar. Eu sei disso e não precisei de praxes para o saber, além disso, na minha opinião, a hierarquia que há entre um estudante do primeiro ano e um do segundo ou terceiro, é nenhuma, são todos estudantes, exactamente no mesmo patamar. 
Assisti a muitas praxes ao longo do tempo que passei na faculdade e achei sempre que aquilo não dava para mim. Mas vi muita gente feliz, vi muita gente a rir e a adorar aquilo. Vi gente a ser humilhada e a gostar (?), vi gente que achava que aquele traje preto lhe dava poder sobre tudo e sobre todos. 
Enfim, acho que só vai quem quer, mas também acho que as universidades e faculdades deviam por olhos naquilo que se passa nesses dias, analisar bem o assunto. 
Talvez seja um bocadinho anti-praxe, porque, de facto, não consigo alcançar os seus objectivos. Mas não posso negar o facto de haver quem goste e que se reveja neste ritual. Só ainda não percebi se isso é um bom ou mau sinal. 
24
Jan14

...

ana

Os meus pais atraem vírus como um íman.
Ah e tal o pico da gripe, pimbas, os meus pais têm gripe.
E pronto, depois é efeito dominó e eu não consigo escapar. É raro ficar doente, mas vivendo com eles é impossível resistir à doença.

23
Jan14

...

ana
Começo a ficar mesmo chateada! Mais um dia que passou e, nem o professor orientador, nem os serviços de orientação profissional da faculdade, me respondem aos mails. Tenho-os reenviado todos os dias, todos os dias, volto a repetir, e nada de resposta.
A próxima semana é a última em que vou estar em Portugal, e eu juro que não quis deixar tudo para a última da hora, mas assim torna-se complicado.
Ai, que stress!

[P.S.: O professor respondeu agora mesmo!!! Foi preciso escrever MUITO URGENTE no assunto, mesmo à desesperada. Ufa, que alívio!]
23
Jan14

...

ana
Andava a deixar crescer o cabelo. A semana passada, fui à cabeleireira cortar as pontas, só as pontas. Cheguei a casa e não gostei, porque está pouco escadeado e os caracóis não se conseguem formar em condições. Esta semana vou cortá-lo outra vez! Lá se vai o cabelo comprido.
22
Jan14

Falando de coisas mais sérias...

ana
Nestes últimos dias, o grau de estupidez e ignorância que observo no facebook tem aumentado exponencialmente.
Ontem, era um video do PPV, um daqueles partidos ultra conservadores, sobre "Práticas homossexuais". Uma parvoíce, do inicio ao fim, que incitava ao ódio e à homofobia. Felizmente, acho que acabou por ser eliminado da página.
Hoje, um "jotinha" qualquer (esta gente anda tontinha, só pode), comentando uma outra estupidez proferida pelo Camilo Lourenço, outro que nem com "molho de tomate" me entra na goela, vem dizer isto:


Uma pessoa até fica atordoada com tanta parvoíce! Caminhamos a passos largos para um país cada vez mais pobre, e não é pobreza financeira, é mesmo de espírito.
22
Jan14

Isto vai ser longo, e pouco interessante, talvez!

ana
Quando a vida me desafia, me preocupa, me stressa e atormenta (nada dramático, este inicio!), tenho tendência a camuflar o meu pânico com coisas fúteis, mais ou menos úteis, mas sempre o mais longe possível dos problemas ou preocupações do momento.
Como devem calcular, os meus dias têm-se centrado na viagem e futura estadia em pais estrangeiro, logo aqui ao lado, e numa cidade que me parece ser maravilhosa. E, se estou assim muitíssimo ansiosa para aterrar em El Prat, também estou assim muitíssimo preocupada com tudo o que ainda me falta preparar. Entre papelada, assinaturas e mais papelada, há ainda tudo aquilo que tenho de organizar quando lá chegar. Se a isto juntarmos o factor despedida da minha namorada e o como é que vou viver longe de ti seis meses?!, podem ter uma noção do cocktail emocional que sou neste preciso momento da minha vida, [que vai mudar muito em breve e eu que até sou aventureira estou um bocadinho com medo ai o melhor é acabarmos esta conversa por aqui].
Pronto, dizia eu que me refugio em coisas fúteis ou de pouca importância e hoje, nem sei bem porquê, reparei que as minhas marcas de cosmética preferidas começam todas por C. Isto é daquelas coisas que não vem acrescentar nada à minha vida, mas achei que esta coerência tem alguma piada.
Ora vejamos: a minha marca de eleição para tratamentos de rosto é a Clinique. Já aqui disse que uso o sistema 3 passos, os cremes e bla bla bla. É tudo maravilhoso e de qualidade upa upa. Há pouco tempo introduzi uma outra marca na rotina diária de cuidados, a Caudalie. Tenho o Beauty Elixir, que é assim uma coisa maravilhosa e viciante e um creme de olhos, o SOS morning eye rescue, que vem substituir o All About Eyes da Clinique, que era mesmo muita bom, mas demasiado caro. Ah, pelo meio ainda usei o da Yes To Carrots que, não sei se é por não começar pela letra C, não resultou lá muito bem comigo, porque me dava demasiada hidratação e uma zona de contorno ocular sempre a brilhar e oleosa (nojo). A minha mãe herdou-o e gosta, por isso, suponho, que seja excelente em peles que precisem de mais hidratação e talvez mais maduras.
Ainda começado por C é o meu hidratante de lábios preferido, o Carmex. Infelizmente, nunca o consigo encontrar à venda em espaços físicos, tipo farmácias e isso, e tenho de o encomendar online, o que encarece sempre um bocado a coisa, por causa dos portes. Ah, aproveito e dou a dica. A dupla - esfoliante labial da Lush (não começa por C, mas é bom!) + Carmex - é assim uma coisa mesmo boa, que deixa os lábios super suaves, beijáveis e perfeitos.
Outro produto que me tem feito muito feliz, e que eu já nem me lembrava que tinha porque é apenas uma generosa amostra, é o óleo "refirmante" da Clarins. Uso há pouco tempo e já vejo resultados, a pele das pernas e nádegas está bem mais elástica e firme, quanto à celulite ainda não posso adiantar nada, mas cremes não fazem milagres e eu tenho é de mexer o cu. O preço, pelo que apurei, é assim bem puxadote, por isso, investiguei e há um substituto da Caudalie, que também tem muitos bons reviews.
Por fim, a CalvinKlein. São sempre os meus perfumes preferidos e os que melhor funcionam na minha pele. Sei que a gama de maquilhagem também é muita boa, mas desconheço, por isso, não opino.
Claro que também gosto de marcas começadas por outras letras, mas a letra C está em vantagem. E claro, também podia continuar a falar-vos disto toda a noite, partilhar convosco todas as coisas que uso e gosto, falar-vos de uma marca excelente (e barata) que descobri para o cabelo, dizer-vos que queria muito ter o trio iluminador, bronzer e blush da Sleek e a paleta Naked Basics da UrbanDecay e da curiosidade que tenho acerca da base liquida da Bourjois, porque estou a gostar muito do pó compacto que tenho, mas não vos quero enfadar!
Juro, podia mesmo estar aqui a noite toda, até porque neste curto (talvez um pouco longo) espaço de tempo até me esqueci que o professor orientador AINDA NÃO me respondeu aos mails, que o plano ainda está por assinar e eu não vejo o dia em que isso aconteça, para que possa tirar esse peso de cima e conseguir concentrar-me noutras coisas igualmente importantes. Por isso sim, podia estar aqui a noite toda a falar destas merdas que não interessam a ninguém.

Pág. 1/3