Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um quarto para duas

Um blog, duas raparigas, um amor.

Um quarto para duas

Um blog, duas raparigas, um amor.

19
Jun14

Ponto da situaçäo

ana
Falta um mês para ir embora, um mês e dois dias, para ser precisa.
Escrevo cada vez pior português, ainda agora tive de ir ao dicionário ver se "precisa" estava bem escrito, que o tracejado a vermelho por baixo baralha-me o sistema todo. Também já misturo umas palavras em espanhol no meio de frases em português, tipo "isto é cerca da minha casa" ou "a becaria que trabalha comigo". Estou longe, oh täo longe, de falar catalão, mas já percebo muito bem aquilo que me dizem. Já me habituei a dizer grácias, que o obrigada custou a ir embora, e adéu, já me parece tão natural como adeus.
Fujo dos locais turísticos a sete pés, apesar de ainda me faltar visitar o interior da Sagrada Família e uma das casa de Gaudi, a La Pedrera. As Ramblas, dão-me suores frios, enervam-me, levam-me à loucura. Isso e qualquer sítio da cidade que tenha mais de três turistas juntos. Prometo, quando voltar a Portugal e tiver um pouco mais de tempo, que vos falo da problemática da sobre-exploração turística desta cidade. Até vos deixo um link para um documentário muito interessante acerca do assunto.
A experiência tem sido mais positiva do que negativa. Tenho os meus dias maus, alguns problemas com as colegas de casa, tenho dias em que as saudades da Rita são insuportáveis, dias em que sinto muita falta daqueles nossos pratos tradicionais e momentos em que Barcelona me parece a pior cidade do mundo. Mas, também tenho tido muitos momentos felizes.
Sinto-me bastante bem no sitio onde trabalho. Sei que sou uma sortuda por trabalhar com esta equipa, por ter uma orientadora extraordinária, que me explica tudo o que quero saber, que tem paciência, que é exigente e que puxa por mim. Já aprendi imenso e tenho muita vontade de continuar a aprender mais.
Já conheci pessoas extraordinárias. Já tive noites memoráveis, jantares que duram horas e já "bebi cafés" nas melhores pastelarias da cidade. Já andei quilómetros a pé, já me perdi, já descobri coisas por mero acaso.
Recebi visitas non stop. Tive a felicidade de ter a Rita aqui por duas vezes e, esses dias, foram sem dúvida os mais felizes e preenchidos. Um trabalho que me realiza e a mulher da minha vida, tudo junto, ao mesmo tempo. Pareceu-me o paraíso.
Faltam quatro semanas para ir embora, é essa a verdade. E, se uns dias o tempo me pareceu parado, outros achei que tudo se passou a correr.
Agora, vou aproveitar os últimos cartuchos e tentar não pensar muito naquilo que mais me preocupa neste momento: como enfiar quilos de roupa, cosmética, duas canecas especiais, os regalitos que levo e mais umas tantas traquitanas dentro de uma mala que não pode pesar mais de 23kg!? Vai ser bonito, vai.
16
Jun14

Fui ver o jogo da selecção

ana
E devia estar louca. Nem sei como me convenceram, quer dizer sei, depois de tanta insistência, depois de ser martirizada por dias, lá cedi, porque já não os conseguia ouvir mais. Fui ver o primeiro jogo, assim para despachar logo o assunto e não me chatearem mais com isto do futebol, da selecção e o diabo a sete.
Saiu tudo de trombas do bar, menos os alemães, claro está, e eu sai com a certeza que somos um povo que tem muito daquilo que merece.
Ah e tal, somos os melhores, da Europa, do mundo, quiçá do planeta. Muito espírito de equipa, juntos é que é, união e força, somos todos Portugal e bla bla bla. Depois a coisa começa a dar para o torto e a união e espírito de equipa evaporam-se, que a culpa já é do não sei das quantas, que está tudo mal, que a selecção é uma merda, que a Alemanha é uma merda, que a cerveja é uma merda. Lá para o final, já quer tudo sair de fininho, que já não há volta a dar e têm "muita vergonha". Lá se foi o patriotismo, o Portugal até ao fim. "Ah vamos embora antes dos Alemães festejarem". Oh, 'migos! habituem-se, que a festejar na nossa cara andam eles há muito tempo e isso do mau perdedor não fica bem a ninguém. A mania do português só gostar do país (o futebol é mesmo a metáfora perfeita) quando o vento lhes sopra de feição é uma coisa mesmo muito interessante. Passamos de bestiais a bestas em segundos, desistimos, ou fugimos que é ainda pior, se a coisa não corre como planeámos (ah os planos megalómanos e as expectativas sempre no topo!).
Eles dizem que saíram com vergonha, humilhados e mais não sei o quê. E eu saí com vergonha também. Não do resultado, que jogo é jogo e vence quem joga melhor. Saí com vergonha deles, destes patriotas de meia tigela, que nem até ao fim do jogo quiseram ficar, que despiram as camisolas e esconderam o cachecol ao intervalo, que saíram de cabecinha baixa. Ai, se há pessoas que não suporto são as que não sabem perder!
13
Jun14

...

ana
Este ano passo ao lado dos santos populares, coisa que nem me angustía profundamente, que eu dispenso bem os aglomerados de gente, a musica pimba e o metro a transbordar. E, também näo me preocupa por aí além faltar às festas lá da vila, que aquilo é sempre igual e a mim já me falta a paciencia para a monotonia. 
Mas, há aqui uma coisa que me anda a preocupar. É-me indiferente faltar ao arraial, mas e a comida? Oh gente, nem sabem o que eu dava por um pires de caracóis! E, eu que nem sou grande fä de sardinhas, ando a sonhar com uma sardinhada. Com broa! Broa de milho e salada de pimentos assados. 
A sério, que tormenta. Quero a minha comida de volta!
07
Jun14

...

ana

Tenho a certeza que ai desse lado há alguém que gosta tanto de cuscuz como eu. E tenho ainda mais certeza, que ai desse lado há alguém que faz cuscuz melhor do que eu! Oh pá, quem é que partilha comigo uma receita mesmo boa? Estou desesperada.
06
Jun14

Sou fraca, eu sei!

ana
Sabem, quando entram numa loja, nomeadamente na Intimissimi, e uma das raparigas que lá trabalha vem logo na vossa direcção e começa aquela lavagem cerebral, que vos leva, em segundos, a mudar de ideias, afinal já não estão ali só para ver, já ponderam comprar, porque aquele modelo, o Laura, mas quem é que decidiu dar nomes aos sutiãs, é mesmo extraordinário, e agora para o verão é mesmo o que estão a precisar. em segundos já estão no provador, a rapariga até entra convosco e ajuda a apertar o sutiã, (nunca me tinha acontecido tal coisa), e ficam ali a olhar, a contemplar o dito, a achá-lo perfeito, porque é mesmo confortável e ela que quer mesmo vendê-lo, afinal é esse o trabalho dela, vê os vosso olhar indeciso e tem mais um truque na manga, um saco de oferta, excelente para a praia, lá desviam os olhos para a etiqueta, 30€ por um sutiã, mas dão um saco fixe para a praia, olha, que se lixe pode ser, a menina sorri e vai ainda buscar as cuecas a condizer, vocês dizem que não, que não estão interessadas, mas ninguém resiste a este pandã, é como sal e pimenta, pagam, recuam no tempo e lembram-se que entraram só para ver, mas saem com umas cuecas e um sutiã, e só pensam que há qualquer coisa muito perigosa naquela loja, uma droga ou assim!
06
Jun14

...

ana
E como as visitas não param de chegar, esta semana foi a semana do meu irmão. Felizmente, esteve bom tempo e deu para aproveitar a praia e para passear. No entanto estava desejosa que chegasse o fim-de-semana para descansar, tenho andado tão cansada.

Bom fim-de-semana :)