Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um quarto para duas

Um blog, duas raparigas, um amor.

Um quarto para duas

Um blog, duas raparigas, um amor.

26
Set14

Fiquei-me pelo Eça

ana

Eu nem ligo muito a estas coisas, mas lá meti na cabeça que devia ler alguns dos livros que vêm naquelas listas do "livros que temos de ler antes de morrer". E aventurei-me com Tolstoi. Primeiro Anna Keranina e agora Guerra e Paz. Sabem o que vos digo? Eu não sei se vou morrer antes de os ler, mas o mais provável é mesmo morrer enquanto os estou a ler.


Posted via Blogaway
26
Set14

Uma questão de palavras

ana

A B. deixou ali em baixo um comentário que me fez rir. É que voltou a lembrar-me disto dos regionalismos que são uma coisa mesmo engraçada.
Quando vivia em Lisboa, diziam-me sempre que não tinha sotaque nenhum e, se me esforçasse um pouquinho,  conseguia aproximar-me bastante do sotaque Lisboeta. O problema era quando me saiam disparadas umas palavras muito próprias aqui da zona onde vivo. Era ver a malta a olhar para mim, com cara se caso, como se eu tivesse a falar outra língua qualquer.
Alguém sabe para que serve uma afiadeira? E quem é que gosta de lentriscas com pão? Alguém tem um malote aí por casa? E quando temos um conhecido que é um grande vacão?
E depois é por sempre um A onde ele não faz falta nenhuma. Tipo o ateimar, ou o "tas aonde?". E podia continuar...


Posted via Blogaway
25
Set14

Dúvidas

ana

E aquelas pessoas que têm uma determinada ideia sobre determinado assunto/tema, e depois lhes é mostrado outro lado desse assunto/tema e provado por a+b que a ideia que têm preconcebida não faz assim tanto sentido, que estão erradas e, mesmo assim, continuam a defender a sua ideia, dizendo "é a minha opinião", incapazes de aceitar que não são donas da razão. São só teimosas ou podemos deduzir que inteligência não é o seu forte?


Posted via Blogaway
24
Set14

Sabem, há gostos para tudo!

ana

Vai haver quem ache que as músicas do Vasco Palmeirim são sempre boas e quem ache que, por vezes, são uma valente porcaria; vai sempre haver quem ache 20€ uma maravilha e quem ache que esses 20€ não vão mudar grande coisa no orçamento familiar; vai haver sempre gente que acha que a casa dos segredos é o melhor programa da TV e quem não consiga perceber como é que tal coisa tem audiências; há sempre alguém que prefere estes dias de outono, em vez de uns dias quentes de verão tardio; haverá quem goste de Tolstoi e quem não consegue passar do primeiro capítulo; existirão sempre pessoas que acham que uma tarde perfeita é passada a dois/as e aquelas que acham que sozinho/a é que se está bem; há quem odeie jogos no telemóvel e quem não consiga parar até passar de nível; existem pessoas que não dispensam a bimby e outras que não sabem cozinhar sem panelas; haverá mulheres a gostar de beijos de outras mulheres e mulheres a gostar de beijos de homem; existem aqueles que acham que o tempo não passa e aqueles que acham que não têm tempo para nada...

Continuem, se quiserem....

Posted via Blogaway


Posted via Blogaway
18
Set14

.

ana

Eu sei. Eu sei. É chato falar do tempo, mas não consigo ignorar. Disseram que o verão vinha em setembro, que aí é que ia ser, dias de praia, noites quentes... e depois, afinal é isto! Que desilusão.
Aqui onde vivo, choveu o dia todo, aliás chove há dias, faz vento e, não estando frio, também não está assim tanto calor.
Eu gosto muito do outono, mas vamos lá com calma, não era preciso começar já.


Posted via Blogaway
18
Set14

Os meus sonhos são como ir ao cinema

ana

Sonho muito. Acordada também, mas principalmente enquanto durmo. Umas vezes lembro-me perfeitamente do que sonho, outras nem por isso.
Falo-vos disto, porque os meus sonhos são interessantíssimos. Assim uma coisa mesmo muito completa, com muitos pormenores, uma história com principio, meio e fim.
Atentem bem nisto:
Estava eu em nossa casa (minha e da Rita) a tomar o pequeno almoço, bebia café numa caneca as bolinhas vermelhas, encostada a uma mesa do IKEA. Acabei o café e fui a varanda. Fiquei a saber que a nossa casa era o apartamento ao lado do intermarche [o meu inconsciente ou sub consciente, ou lá o que é, anda desatualizado. Já não gosto desses apartamentos porque construiram mesmo à frente umas bombas de gasolina.]. Entretanto, a Rita entra na cozinha, deu-me um beijo e perguntou o que ia fazer. Expliquei que ia, durante a manhã, para o museu, porque tinha umas visitas guiadas para fazer, umas coisas a explicar sobre as minas de carvão e umas coisas sobre a vila e que, durante a tarde, teria de ir a Lisboa entregar umas coisas do mestrado! A Rita revirou os olhos e disse que andava sempre de um lado para o outro demasiado ocupada. Ela tinha vestido aquele casaco que experimentou numa loja a semana passada, as calças justas e umas botas que não tem, mas que eram bem giras. Saimos de casa e lá fui eu trabalhar no meu smart.
Vou saltar a parte do dia de trabalho, que sonhei assim em pormenor, ao ponto de saber as perguntas que me fizeram durante a visita guiada, dos papeis que fui entregar, os do mestrado, que tinham o logótipo da Universidade de Lisboa e que no caminho de volta ouvia rádio no meu smart, a rádio comercial, mas com os locutores da manhã, o que não faz muito sentido, mas Ok.
Voltando ao sonho. Cheguei a casa cerca das sete, descalcei as botas, que eram umas bem giras da Zara e fui para a cozinha fazer o jantar. Frango no forno. Depois a Rita chegou. Jantamos, ela lavou a loiça e depois veio deitar-se no sofá ao meu lado e acabou por fazer-me uma massagem nas costas. Ah o sofá era do IKEA também e sei assim pormenorizadamente como era a decoração da sala.
E acabou.

Juro-vos que, às vezes, acordo cansada.
Um dia conto-vos sobre o sonho em que eu estava grávida, uma gravidez de risco!
É com cada novela!


Posted via Blogaway
16
Set14

Quiche de cogumelos e frango (sem lactose)

ana

Para ser sincera, nunca gostei muito de quiche. Achava que era uma coisa muito pesada, gordurosa, deixava-me mal disposta. Hoje sei o porquê disso acontecer, por isso, decidi dar-lhe uma segunda oportunidade, ajustando e adaptando a "coisa" à minha maneira.

Aqui fica a receita:

Frango (podem ser sobras de um frango assado, por exemplo)
Cogumelos
Alho francês
Pimentos
1 embalagem de "natas" de soja
Queijo ralado sem lactose
2 ovos
1 embalagem de massa folhada ou quebrada (atenção, leiam bem os rótulos para terem a certeza que não tem lactose, ou que apenas "pode conter vestígios"
Sal e pimenta

Forrar o fundo de uma tarteira com a massa.
Começar por saltear o alho francês, os cogumelos, os pimentos e o frango. Temperar com sal e pimenta e outras ervas a gosto.
Bater os dois ovos com as natas de soja, misturar tudo muito bem.
Forrar a massa com o salteado e deitar por cima a mistura dos ovos.
Levar ao forno a 180°, durante  cerca de 30 minutos.

Bom apetite.


Posted via Blogaway

Pág. 1/2