Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um quarto para duas

Um blog, duas raparigas, um amor.

Um quarto para duas

Um blog, duas raparigas, um amor.

30
Ago15

Refugiados

ana

Não me perguntem se acho bem ou mal que Portugal receba refugiados. Não sei, não tenho uma opinião completamente formada sobre o assunto, ando aqui numa guerra interior, a pesar os prós e os contras, mas ainda não tenho uma posição.

Só sei que me doi tudo sempre que vejo mais uma notícia sobre a morte deles. Foda-se, revolta-me saber que, em pleno século XXI, pessoas morrem dentro de camiões, que se afogam, que crianças chegam sozinhas a outro país, sem nada, sem ninguém! 

Imagino o desespero desta gente. 

Este tipo de assuntos mata-me um bocadinho. Destrói-me a esperança num mundo melhor. 

É tão triste, tão desumano. 

Mundinho de merda, este!

23
Ago15

Divagando

ana

Fui três vezes à praia e esteve sempre um tempo miserável. Mergulhos no mar, nem vê-los. Hoje choveu, está frio e este verão está tão fraco que dá dó.

As pessoas fecham-se no shopping, compram muito, pagam com visa e depois logo se vê. 

Querem sempre brincos e pulseiras do "mesmo conjunto", tudo a combinar. Se for diferente já não serve e eu não lhes vou explicar que isso do "fazer pandant" é moda do século passado. 

As criancas fazem birras. Exigem coroas para a cabeça, pulseiras em cor de rosa e brincos com bonecada. Deitam-se no chão, berram, ficam possuídas quando são contrariadas. São pequenos ditadores que levam sempre a sua avante. 

Há quem gaste balurdios em bijuteria. Há quem ache que dar três euros por um par de brincos é muito. 

Existe sempre quem reclame. Emigrantes que só falam francês por preguiça. Senhoras de idade que querem umas "perolazinhas" para as orelhas. 

Há quem ache que quem trabalha em lojas é gente sem estudos, que não dava para mais nada e aconselhe as filhas a ir para a universidade para "não.acabarem ali". Eu rio-me!

Eu só desejo dias de sol e calor. Não por mim, que vou continuar sem por os pés na areia e branca como uma lula. Quero dias de sol para está malta, para relaxarem na Nazaré e aproveitarem o solinho, que isto de passar férias em shoppings deve ser muito triste!

 

22
Ago15

Antes ser a ovelha negra

ana

Que sociedade de carneiros, sempre em rebanho. 

Agora, até com livros. A rapariga do comboio, ou lá o que é, até pode ser o melhor livro de todos os tempos, mas só de ver tanta gente com ele, tanta foto nas redes sociais, já perdi a vontade ( que nunca foi muita) de o ler! 

É quase como toda a gente vestir a mesma t shirt da zara. Ou comer sushi. E ir para sul em vez de Algarve. Ir a um sunset na praia (!). Beber gin num aquário. 

Fogo, não se cansará está gente de fazer tudinho igual aos outros? Odiar bolas de Berlim mas comer uma na praia só porque sim?

Que vida chata que têm. Até me cansa ver tanta ovelha junta!

19
Ago15

Coisas minhas, constatações, dúvidas e tal

ana

Isto do nunca dizer nunca é mesmo verdade.

Em criança furei as orelhas. Infectou tudo, ninguém lhes podia tocar e um dia, por causa de uma radiografia, tive de tirar os brincos e disse à minha mãe que nunca mais queria brincos na minha vida. 

Até hoje, pareceu-me ser um nunca definitivo.

Furei as orelhas, outra vez. Fui cobaia. 

Resta-me rezar para que isto não infecte. 

E agora, que as orelhas ja nao ardem e ja me mirei trezentas vezes ao espelho, ate gosto de me ver com brincos. 

 

13
Ago15

O freguês tem sempre razão

ana

Faltam 10 minutos para a loja fechar. Consegues arrumar tudo. Tudinho. Ficas feliz, já só falta limpar a loja, fechar a caixa, organizar as últimas coisas, preencher papelada. Prevês que vais sair uns quinze ou vinte minutos mais tarde. É óptimo, não podes desejar muito mais.

A uns cinco minutos da loja fechar entram umas seis pessoas. Mexem em tudo, fazem-te procurar coisas no armazém, desarrumam.

Está na hora de fechar. Fechas metade da grade para a malta se aperceber que está na hora de se meterem a andar. Nada. Continuam como se nada fosse. Há quem tente entrar com a grade metade fechada. Há quem continue a fazer-te perguntas, a experimentar, a.exigir a tua atenção. 

Sais uma hora mais tarde e conformas-te. Amanhã repete-se, outra vez!

13
Ago15

Meu querido mês de Agosto

ana

Tenho um ódio de estimação ao mês de agosto. Por mil motivos e mais alguns, é um mês de más recordações, que me cansa, que me põe mais em baixo. 

Este ano, não me posso queixar muito, por enquanto. Comecei a trabalhar e isso foi óptimo. 

No entanto, o que não é óptimo é trabalhar num centro comercial no mês de agosto. São os saldos, são as pessoas de férias, são os emigrantes... Uma canseira. 

Gostava imenso de saber e perceber o que leva esta gente a enfiar-se num centro comercial em pleno Agosto! Praia, jardins, monumentos, ar livre, esplanadas... São opções sem fim. Está sol, está bom tempo e está gente vai enfiar-se em lojas?! Loucos!!

Hoje saí uma hora mais tarde, tive de expulsar gente da loja, arrumei centenas de vezes os expositores, não tive pausa, não jantei. A loja esteve sempre cheia! 

Juro, não esperava que fosse assim. Não esperava este movimento a uma quarta feira. Não esperava ver um centro comercial cheio no pico do verão. Está bem que hoje esteve um tempo muito manhoso, mas mesmo assim dava para aproveitar o dia ao ar livre, passear. 

Enfim, a malta gosta mesmo é de comprar! 

Vá, façam figas para o meu Agosto ser gostoso, pode ser? E aproveitem as vossas feriazitas longe de shoppings, ok? 

Eu vou continuar a arrumar brincos e a pendurar fios, fechada num centro comercial, longe do mar e das destas na areia!

11
Ago15

Je suis fodida!

ana

Antes de me apedrejarem e rogarem centenas de pragas, de me chamarem preconceituosa, desconhecedora da "realidade" etc etc etc, deixem-me só esclarecer que tenho um irmão emigrado, tios, primos e outros tantos familiares. Eu própria já vivi e trabalhei fora do país e não sei se não o voltarei a fazer. 

Posto isto, estou farta de emigrantes! 

É no trabalho, nas estradas, em todo o lado. 

Hoje, um enorme filho da puta, matrícula francesa (pareceu-me), decidiu ultrapassar num local com duplo, volto a repetir, duplo, traço contínuo. Só vi o enorme estupor à minha frente, deu para travar, desviar e sobreviver. Mas apanhei o susto da minha vida. Aquele cabrão podia-me ter morto! 

Eu não sei se está gente conduz lá nos países onde vive, acho que não. Acho que só pegam na merda do carro para vir para Portugal passar férias e entupir lojas e supermercados. 

Conduzo há pouquíssimo tempo e, curiosamente, todos os sustos e manobras de merda que tenho visto nas estradas são feitas com carros de matrícula estrangeira.

Se os portugueses não fazem merda? Ya fazem, bué. Os números de mortes nas estradas estão cá para o confirmar.

Mas estes atrasados mentais que por acharem que aqui podem fazer tudo, neste país sem lei nem código da estrada, mereciam chegar ao seu destino com o carrinho todo lixado. É que gostava mesmo de os ver exibir os BMW e Mercedes todos riscadinhos, lá na terrinha. 

Só espero que lhes corra bem a viagem de regresso, que não levem criancas no carro, nem lixem a vida a inocentes. Espero que quando lá chegarem ponham o carrinho na garagem, uma mantinha por cima para não acumular pó e não mexam mais no veículo. Andem de metro, de autocarro, a pé. A sério a malta agradece. E para o ano venham de avião, comprados com antecedência, os bilhetes ficam bem em conta. Não precisam de carro para nada, a camisola da selecção portuguesa e terço ao pescoço, são suficientes para dar nas vistas. 

 

 

 

Pág. 1/2