Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um quarto para duas

Um blog, duas raparigas, um amor.

Um quarto para duas

Um blog, duas raparigas, um amor.

29
Set15

Blogs para totós

ana

Nunca fui plagiada, acho eu. No entanto, de fosse, ficava lixada. Não por achar que aquilo que escrevo é uma obra prima da literatura, mas sim por odiar gente preguiçosa. 

Não custa nada despejar um monte de baboseiras num blog. É tão fácil. Não é complicado escrever algo para encher chouriços, basta falar de um programa qualquer da TV, dos fatos do Goucha, de algum VIP que esteja na praia a mostrar a banha, ou até da nova colecção de cuecas da intimissimi.

Se quiserem subir de nível e mostrarem-se intelectuais, escrevam sobre política, nada muito profundo, do género "os políticos são todos iguais" ou "o Passos Coelho usa capachinho". Podem também fazer uma review de um livro da Margarida Rebelo Pinto, ou do Pedro Chagas Freitas. 

Não custa nada. Se derem erros também não faz mal, se as frases não fizerem sentido, idem. Digam que não são vocês a escrever, mas sim o  vosso alter-ego.

Gente, se acham que um blog generalista é muito para vocês, foquem-se num tema, tipo: vespas asiáticas, melhor loja para comprar meias, um blog sobre moda dos anos 20. 

Não se deixem influenciar pela conversa das pipocas e afins, que de queixam da dificuldade que é manter um blog. 

Tretas. Trocava com elas já. Elas vinham arrumar brincos e pulseiras e eu publicava textos publicitários e fotos de outfits da primark. De vez em quando, escrevia um texto sobre a anemia, ou sobre os macacos bonobo, para dar credibilidade à coisa. Isto tudo intercalado com o lançamento dos novos xanatos da zillian e umas festinhas do croquete, que até vinham a calhar porque eu sou doida por fritos.

Se isto de ser blogger profissional é assim tão stressante, eu sou capaz de me tornar uma estressada crónica. 

Bem, continuam sem ideias para o vosso blog? Os vossos dedinhos já estão a escorregar para o "ctrl c, ctrl v"?

Pois, desistam. Ter blog não é para vocês (apesar de eu achar que é para qualquer um). Dediquem-se ao instagram, aquilo com os filtros fica sempre bem!

 

27
Set15

Faço anos em Novembro, o Natal é em Dezembro e desejar ainda não se paga

ana

A Rita diz que só desejo futilidades. Não é verdade. Desejo bem mais do que futilidades, tipo uma casa, um mestrado, um emprego na minha área, ficar curada... A questão é, sei que ninguém me pode oferecer isso. Não é o género de coisa que caia do céu, que se ofereça num aniversário.

Claro, também desejo viagens: Itália (de norte a sul), Paris, Viena, Polónia, Londres, Holanda, Bélgica, Grécia, Canadá, EUA, Brasil... Assim uma espécie de volta ao mundo. 

Também quero um pug ou um buldog francês. 

Tudo coisas fáceis, como podem ver. Por isso, limito-me a desejar aquilo que, sendo possível comprar, me faria feliz. Não tão feliz como um quarto para duas, na nossa casa com varanda e cozinha ultra moderna, mas suficientemente feliz, futilmente feliz, talvez. A vida também é isso, momentos de felicidade instantânea, de pequenos nadas, de miminhos que nos sabem bem. 

Posto isto, venho por este meio expor a minha lista de desejos. Se quiserem contribuir, enviem mail e eu dou-vos a minha morada (marcas, isto é para vocês!). Também disponibilizo NIB para transferências e aceito cheques prenda das lojas do grupo Inditex. 

Talvez, seja melhor dividir isto por dois ou três posts, para ser mais fácil e ninguém se baralhar. 

 

Comecemos pela makeup e semelhantes:

 

naked_2.jpg

zoeva-set-vegan-face-6-brochas-de-rostro-y-neceser

TM_BEIGE_DIAPHANE_03.jpg

 

397-77002296-terracottalightbronzing_02blondes_m.j

 

meteorites-compact.jpg

 

 

27
Set15

Coisas da beleza, maquilhagem, modas e opiniões

ana

Em actualização ao post dos pincéis.

Não comprem o pincel de base da H&M. É muito bom na primeira utilização, na segunda, na terceira, depois começa a deixar marcas na base. Não reage muito bem a lavagens e as cerdas lá vão saindo do sítio e caindo. 

O de blush porta-se melhor. Mas também larga algumas cerdas. 

É assim, se não querem gastar muito em pincéis, comprem. Ficam com bons pincéis para começar. Quem quiser algo melhor, quem exigir mais, é melhor procuraram outros. 

26
Set15

A puta da depressão veio dar um arzinho da sua graça!

ana

Venho só desabafar um bocadinho, Ok?

Por vezes, esqueço me que ainda não estou curada. Tenho dias óptimos, sem stress, com nenhuma ansiedade. Mas hoje, acordei a sentir me mais ansiosa e triste. Um bocado desmotivada. Foi um dia complicado. Com o coração mais acelerado, as pernas irrequietas e aquela sensação de que tudo de mal pode acontecer. Andei assustada, a fazer filmes, com a cabeça a mil.

É frustrante ter dias assim, que aparecem do nada, quando tudo parecia estar bem, quando achava que já estava a recuperar.

Enfim, amanhã é outro dia. Este hoje foi para esquecer!

25
Set15

Outra vez a praxe

ana

Volto a dizer: não gosto de praxe. 

Não fui praxada, odeio todas essas tretas, capas negras e afins. Não tenho paciência nenhuma. Acho uma absoluta estupidez. 

Não me venham com a conversa da integração, das hierarquias, do respeito e bla bla bla. Eu (e muitos mais) não fui à praxe e integrei-me, sei respeitar hierarquias e respeitar os outros. 

Mas a verdade é esta, ninguém é obrigado a ir. Eu não quis e não fui. Quem gostou da cena, participou e foi. 

Éramos todos maiores de idade. Todos adultos. Estávamos na faculdade e não na escola primária. Cada qual era responsável pelas suas escolhas e decisões. 

Se acho parvo aqueles "doutores" todos aos berros, a dar ordens, cheios de si e do seu suposto poder, acho ainda mais parvo que uma pessoa de 19 anos não consiga ter a capacidade de dizer "não quero" e mande aquilo tudo à fava ao aperceber-se que a sua integridade física e/ou psíquica está em risco. 

Se alinham na brincadeira, por mais estúpida e perigosa que seja, são responsáveis por isso. Se não querem, se acham que aquilo vai dar merda, então dêem uso à vossa liberdade e responsabilidade e digam que não! 

Ah, mas se desistir da praxe não vou poder participar nas actividades académicas!

Pois, a escolha é de cada um. Eu cá prefiro preservar a minha dignidade, impor-me como ser livre que sou, evito subjugar-me e exijo respeito. 

Há quem não se importe de rebolar em bosta, comer coisas estranhas e entrar no mar completamente embriagado. 

São opções. Mas responsabilizem-se por elas. 

22
Set15

Coisas minhas, constatações, dúvidas e tal

ana

Deve existir um nome técnico para isto, uma fobia qualquer: eu não consigo estar em casa.

Passei meses deste ano fechada em casa. Afundada no sofá, presa aos meus pensamentos, a enterrar-me entre quatro paredes.

Tive dias em que não vi o sol, em que não pus um pé na rua, em que não despi o pijama.

Foi em casa que me senti perdida, longe de mim, do mundo. Foi a minha casa, aquilo a que chamam de lar, que me levou à mais profunda tristeza e incapacidade que alguma vez senti. 

Agora, sou incapaz de me manter dentro de casa muito tempo. Tudo me faz lembrar aqueles dias cinzentos. Tudo me sufoca. 

Saio sozinha, vou beber o café à esplanada do costume e conto as horas para ir trabalhar. 

Não sei se algum dia vou conseguir voltar a olhar para a minha casa como o sítio seguro que era. 

Por enquanto, fujo dela, para não ter de encarar todos os demónios que me atormentam.

 

22
Set15

Tanta polémica por causa de um par de mamas!

ana

Se há coisa que não me faz confusão, são mamas. 

Mamas ao léu na praia, novas ou velhas, descaídas ou cheias de silicone. Mamas em grandes decotes, a saltarem de ali para fora, ou bem arrumadinhas. São mamas. São como joelhos em saias curtas, como umbigos a espreitar pelas camisolas, como costas despidas em vestidos de verão.

Gosto de mamas, confesso, assim como gosto de rabos, barrigas e pernas bem feitas. É uma parte do corpo como tantas outras. 

E é por isso que não percebo toda está polémica em torno da amamentação em locais públicos. 

Para mim, é-me tão indiferente. É coisa que não me atormenta. Ver um bebé agarrado a uma mama, uau, que coisa mais chocante. Ver uma mama! Que coisa terrível, essa parte do corpo demoníaca! 

Please, gente. São mamas apenas. Não é uma vagina ou uma pila (que apesar de serem partes do corpo normais, têm quase sempre uma conotação sexual). São mamas de mulher, iguais às que os homens exibem em tronco nu (muito mais desinteressantes). 

Não é nada de outro mundo. Um bebé a sugar leite. Prefiro ver isso, do que ouvir o choro lancinante de crianças esfomeadas!

22
Set15

Inspira, expira e inspira-me

ana

Já tenho o novo catálogo IKEA. Não, não chegou pelo correio, tivemos mesmo de ir lá buscá-lo. 

Ando numa onda de decoração, com umas ideias para o meu quarto. Apetece-me tudo mais branco, mais clean. 

E com isto vou mantendo a cabecita ocupada, o que é bom. Voltar a ter prazer em pequenas coisas. 

Só me falta recuperar o gosto pela cozinha, mas para isso tenho de recuperar por completo o apetite. 

Com calma isto vai lá, espero!

Pág. 1/3