Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Um quarto para duas

Um blog, duas raparigas, um amor.

Um quarto para duas

Um blog, duas raparigas, um amor.

29
Fev16

Coisas da beleza, maquilhagem, modas e opiniões

ana

Já me elogiaram a maquilhagem duas vezes, nestes últimos dias. 

Só tenho duas coisas a dizer:

Produtos bons e simplicidade. 

O jeito não é muito, mas qualquer pessoa que não encha a cara de reboco, com bases de merda, que não pinte os olhos com sombras poeirentas e de qualidade duvidosa e que não aplique blush como um palhaço, fica bem. 

Ah e se não sabem fazer, não façam. Tipo eu sou uma nulidade no eyeliner. Não faço. É melhor do que andar com olhos todos borrados, com aquele risco torto e foleiro. Não há nada mais bimbo. 

 

24
Fev16

Marcelo

ana

Da paragem do autocarro, mesmo ali em frente à faculdade de direito, via-o chegar tipo vedeta. O motorista parava, ele saía e acenava, distribuindo sorrisos e cumprimentos, tal estrela de cinema. 

Sempre achei aquilo patético. 

Uma vez, uma colega de casa, aluna da faculdade de direito, falava nele como professor. Dizia que era um senhor simpático, mas que o melhor que fazia como professor, era pagar o vinho do jantar de final de ano. Achei piada.

Agora, prepara uma tomada de posse que mais parece um festival de verão. Até o Anselmo Ralph vai. 

Enfim, é tudo tão patético. E o povo gosta. Dêem-lhes pão circo, pão e circo, minha gente!

 

17
Fev16

💙

ana

A melhor coisa que fiz na minha vida foi sair do armário. 

Ontem à noite falava sobre isso com a Rita. Concordamos que desde que o fizemos a nossa vida mudou para melhor. 

Viver sem mentiras, sem máscaras, é das melhores coisas do mundo. 

A nossa relação melhorou 200%. A relação com a família de cada uma não podia ser melhor. 

Como não temos dinheiro, vamos vivendo a nossa vida em casa dos nosso país. Eu durmo lá, ela dorme cá, andamos sempre com a casa às costas. Apesar de todos os inconvenientes, tudo tem corrido bem e o respeito e aceitação dos nossos pais é qualquer coisa de extraordinário. Acreditem que isto é surpreendente e algo que não esperávamos. 

Finamente, conseguimos fazer planos para o futuro, ter algumas certezas. 

Juro, nunca pensei que a felicidade fosse possível. 

 

17
Fev16

Ah, a beleza do trabalho

ana

Durante algum tempo, fui feliz no meu trabalho. Apesar de trabalhar numa loja, gostava do que fazia. 

Sempre me empenhei e procurei aprender, até quando a chefe da empresa me disse que eu não servia para aquilo. Ainda me esforcei mais, esfalfei-me para atingir bons resultados e tornei-me numa das melhores vendedoras. Provei o meu valor. 

Acreditei que aquela loja era diferente, que o mérito de alguem era reconhecido e valorizado o esforço de cada um. Enganei-me!

Nas últimas semanas, vi que todo o meu esforço foi suplantado pela graxa de uma colega. Incompetente, antipática com os clientes, sempre a lamuriar-se em frente aos colegas e com um discurso completamente diferente perante a gerente de loja. 

Ouvi as maiores injustiças da boca da gerente, que me ralhou, que me rebaixou e desvalorizou tudo o que fiz até aqui. Por fim, enalteceu o trabalho da colega graxista. 

Fiquei fodida. 

Nunca sai a horas do trabalho, sempre fiz tudo o que foi pedido, com a maior competência que conseguia. 

Percebi que o mérito de alguem é facilmente destronado pelo "apaparicamento" da gerente, pelos falsos elogios. 

Agora, espero ansiosamente pelo fim do meu contrato. Não quero mais colaborar com uma empresa que premeia quem não merece e rebaixa quem dá o melhor de si mas não entra em graxismos. 

Não sei lidar com essas situações, nem quero. 

09
Fev16

Cheguem-se aqui, gente boa

ana

Um elemento da brigada da moral e dos bons costumes instalou-se aqui no quarto. 

Diz que digo muitos palavrões, sente-se incomodado. 

Não sei mais o que fazer. Vejam lá bem que até me ameaçou com a falta de visitas e comentários e vocês sabem bem o quanto eu me preocupo com essas coisas!

Isto aqui é o meu ganha pão! Chovem-me convites de marcas, de agências de blogs, de tudo e mais alguma coisa. Não imaginam o quão rica sou desde que tenho aqui o quarto! Até deixei de comprar marcas brancas no supermercado. 

Como vos digo, não sei mais o que fazer! 

Estou a equacionar abolir os palavrões e postar só coisas bonitas e bem educadas, imagens de flores e gatinhos. 

Deus me livre incomodar alguém com caralhadas. 

Ainda por cima este blog deve ter um problema qualquer de configuração. As pessoas vêm aqui parar e, vejam lá bem, até as que não gostam são obrigadas a ficar cá. Elas carregam na Cruzinha e nada, isto não fecha. Aprisiona-as aqui dentro. É vê-las contorcer-se de dor a cada palavrão que aparece, coitadas, é um sofrimento que dá dó! 

Posto isto, preciso da vossa ajuda para esta nova fase. É que sou tão mal educada que nem sei bem distinguir o que é um palavrão e o que não é! Preciso que me digam. 

Merda posso dizer? E Chiça? E caralhinho, assim no diminutivo até é fofinho! 

Vá ajudem-me a ser uma pessoa melhor!

08
Fev16

Trabalhar faz calos e não só

ana

Precariedade não é o o ordenado que recebo.

Precariedade é eu saber que a minha chefe amanhã me vai foder a cabeça e eu não lhe poder dizer umas coisas que penso sobre a loja e a sua gestão e organização. 

É que porcaria dos 250€ fazem-me falta! 

Não imaginam o quanto me vai custar manter a boquinha fechada. 

 

Pág. 1/2